Compactando / Descompactando arquivos TAR.GZ no Linux Ubuntu

Compactando / Descompactando arquivos TAR.GZ no Linux Ubuntu

By | Criação de Desenvolvimento de Sites, Linux | Seja o primeiro a comentar!

Ótima dica para quem precisa fazer um backup ou simplesmente compactar algum diretório do seu servidor linux Ubuntu. Nesta dica demonstraremos como utilizar comandos simples para compactar e descompactar arquivos tar.gz. Comando essencial para quem acessa computadores com linux por SSH, servidores de hospedagem, ou mesmo quem aprecia o Terminal.

tar é o comando para manipular arquivos .tar. O hífen com diversas letras são parâmetros, onde cada letra significa uma função específica:

  • -x (eXtract) é para extrair os dados do arquivo .tar.gz (usado apenas para descompactar).
  • -c (Create) é para criar um arquivo tar (usado apenas para compactar).
  • -z (gZip) é para manipular o arquivo .tar.gz em GZip.
  • -v (Verbose) é para mostrar os arquivos conforme o tar os manipula. Quando estiver em uma conexão SSH lenta, você pode retirar este comando para não receber a lista completa de arquivos que foram compactados/descompactados.
  • -f (File) é para definir que estamos trabalhando com arquivos, e não com uma fita ou outro dispositivo.

Descompactando um arquivo tar.gz

  1. Acesse o diretório que possui o arquivo;
  2. Digite o comando:

tar -xzvf arquivo.tar.gz

Compactando um arquivo tar.gz

  1. Acesse o diretório onde se encontra o arquivo ou o diretório que deseja compactar;
  2. Digite o comando:

tar -czvf arquivo.tar.gz pasta

OxiDigital - Criação de Sites e Marketing Digital - Google AdWords - Porto Alegre-RS

10 Dicas Para Campanhas Google Adwords de Sucesso

By | Google AdWords, Links Patrocinados | Seja o primeiro a comentar!

O Google Adwords é um sistema de links patrocinados, que funciona com CPC (custo por clique) e tem feito muita diferença na publicidade de grandes empresas. Vamos conferir algumas dicas de como montar sua campanha para que ela seja bem sucedida.

1. Trace um objetivo. Não adianta iniciar uma campanha de Adwords com o pensamento “quero vender mais”. É preciso estabelecer uma quantidade, uma proporção, algo plausível para análise de desempenho. É preciso também saber em quanto tempo esse “aumento de vendas” deve ser alcançado. Por exemplo, tenho um site que vende meias. Uma média de 300 visitas diárias e 2 vendas. Quero passar a 3000 visitas ao dia em 4 meses. Isso influencia diretamente no investimento financeiro a ser feito.

2. Se situe. Para que as pessoas se interessem pela sua campanha, é preciso que ela seja muito objetiva e exponha o melhor do seu produto. Identifique precisamente o que seu produto ou serviço oferece e suas maiores qualidades. Meu site de meias, por exemplo, não vou vender meias de seda ou algodão. Vendo pernas bonitas e pés quentes.

3. O ponto de partida. Recolha o maior número de informações sobre a sua situação atual que for possível. Com o Google Analytics, você pode obter informações do tipo: quantas visitas tenho atualmente, de onde elas vem, quanto tempo ficam no site, pelo que mais procuram, por onde entram no meu site, quanto cada cliente gasta em média… Quanto mais dados recolher, melhor. Conheça sua clientela.

4. Conheça os concorrentes. Seu site pode ser muito bom e seu produto de muita qualidade e, mesmo assim, não conseguir os clientes que queria. O problema pode ser a concorrência. Recolha informações do tipo: Quem são seus concorrentes no Google? O que, como e quando anunciam? Onde se posicionam? Os anúncios são sempre os mesmos ou mudam? Onde levam os anúncios?

5. Trace uma estratégia. Talvez, para alcançar seus objetivos, você não precise aparecer em primeiro lugar para todas as buscas, ou fazer uma campanha CPC por muito tempo. Analisando todas as informações recolhidas, estabeleça a estratégia a ser seguida.

6. Comece a campanha. Organize sua campanha por tópicos, cada produto ou serviço pode ser melhor explorado com uma campanha específica. Aproveite também os recursos de localização geográfica, idioma e tipo de anúncio para mostrar uma propaganda para o público que realmente está interessado no seu produto.

7. Não use palavras-chave duplicadas. Mesmo o Google desaconselha fazer campanhas diferentes focando a mesma keyword. Isso apenas fará seus anúncios concorrer entre si. Além disso, o Google mostra apenas um anúncio de cada anunciante em cada página de resultados.

8. Atenção aos detalhes. Menor número de keywords, mas mais específicas, dão mais resultado nas campanhas do que uma lista enorme e genérica de propagandas. Coloque a keyword no texto do seu anúncio. Coloque os aspectos exclusivos do eu produto/serviço no anúncio.

9. Não se engane. Direcionar seus clientes apenas para a sua página inicial não é um bom negócio. Manda-los para as páginas específicas dos produtos nos quais clicaram nos anúncios pode trazer uma taxa de conversão melhor. Unir uma campanha SEM a uma otimização do SEO de sua página pode melhorar muito os resultados.

10. Acompanhe seu desempenho. Você estudou, recolheu informações, estabeleceu objetivos e montou suas campanhas. Ótimo. Só não se esqueça de acompanhar e monitorar de perto o resultado de suas campanhas. Elas também o ajudarão a definir o melhor caminho a seguir.

wordpress

Como desabilitar barra de administração do WordPress

By | Wordpress | Seja o primeiro a comentar!

O WP 3.1 introduziu uma nova funcionalidade chamada de “Admin Bar”(Barra de administração). Uma barra que fica no topo de todas as suas páginas, contendo links para as principais funções do WordPress, como adicionar posts, gerir comentários e alterar temas e widgets.

Para desabilitar esta barra para todos os usuários do seu site, simplesmente coloque o seguinte código no arquivo functions.php do seu tema.

/* Desabilitando a barra de admin para todos os usuários. */
add_filter( 'show_admin_bar', '__return_false' );

Festa da Skol, em São Paulo: a marca investe em mais de 2 000 eventos para se manter próxima dos clientes

As marcas brasileiras mais valiosas de 2014

By | Eventos, Marketing Digital, Notícias, Publicidade | Seja o primeiro a comentar!

O poder das marcas influencia boa parte de nossas decisões — desde o celular que está no bolso, o carro que dirigimos até a escolha de ler uma revista como EXAME. Embora tenham um valor enorme e inegável, as marcas sempre foram tratadas como bens intangíveis.

Para resolver esse problema, a consultoria inglesa Interbrand desenvolveu, em 1988, em parceria com a escola de negócios London Business School, uma metodologia que se tornou mundialmente reconhecida. Primeiro, a Interbrand analisa o desempenho financeiro das marcas.

Depois, o peso de sua influência nas decisões de compra dos consumidores. E, por último, sua força em relação aos competidores. Ao final, a consultoria tem um ranking com o valor das principais marcas de um país. Nos resultados deste ano para o mercado brasileiro, que EXAME publica agora com exclusividade, houve a maior mudança nas três primeiras posições em mais de uma década.

Desde 2001, o topo do ranking tem sido um espaço exclusivo de bancos (Itaú, Bradesco e Banco do Brasil), com algumas aparições da Petrobras. Na edição deste ano, a cerveja Skol, da cervejaria Ambev, furou pela primeira vez o bloqueio dos grandes do mercado financeiro ao conquistar o terceiro lugar.

Festa da Skol, em São Paulo: a marca investe em mais de 2 000 eventos para se manter próxima dos clientes

Festa da Skol, em São Paulo: a marca investe em mais de 2 000 eventos para se manter próxima dos clientes

Uma marca forte é responsável diretamente pelo sucesso de um negócio”, diz Daniella Giavina-Bianchi, diretora executiva da Interbrand no Brasil. À primeira vista pode parecer estranho, mas o futuro ajuda a entender o porquê da ascensão da Skol.

Entre os dias 1º e 3 de maio de 2015, a cidade de Itu, no interior paulista, vai hospedar uma das festas de música eletrônica mais badaladas do mundo, a belga Tomorrowland. Tem tudo para ser um enorme sucesso, pelo menos de público. Em apenas 3 horas, os 180 000 ingressos colocados à venda em setembro se esgotaram.

A organização promete “um fim de semana mágico”, com 150 atrações em cenários gigantescos, decorados com fadas e gnomos. Para a marca Skol, a principal patrocinadora do Tomorrowland Brasil 2015, quanto mais “irada” a festa, melhor. “Queremos que as pessoas tenham um fim de semana inesquecível e associem nossa marca a ele”, diz Pedro Earp, vice-presidente de marketing da Ambev.

Em larga medida, essa estratégia da Ambev segue os ensinamentos do americano David Aaker, professor da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Aaker, um dos maiores especialistas mundiais em marketing, diz que uma marca se torna mais forte quando oferece experiências. Isso porque os consumidores se sentem “amigos” do produto.

As pessoas retribuem o que as marcas dão a elas”, diz Aaker. Estar próxima de grandes eventos voltados para o público jovem é uma estratégia antiga da Skol. Na última década, a marca deu nome a dois grandes festivais de música eletrônica, o Skol Beats e o Skol Sensation.

Só neste ano patrocinou mais de 2 000 festas, incluindo o Carnaval em Salvador, Olinda e São Paulo. Isso tem ajudado a Skol a manter uma fatia próxima de 30% do mercado, a maior do segmento, segundo a consultoria Euromonitor.

Ranking Marca Valor da marca (em reais) Diferença em relação a 2013
1 Itaú 21,6 bi 12%
2 Bradesco 15 bi 7%
3 Skol 11,6 bi 23%
4 Banco do Brasil 10,4 bi -12%
5 Brahma 9,4 bi 31%
6 Natura 7,6 bi 2%
7 Petrobras 6,8 bi -23%
8 Antarctica 3,6 bi 15%
9 Vivo 2,7 bi 3%
10 BTG Pactual 2 bi 4%
11 Cielo 1,3 bi 16%
12 Casas Bahia 1,2 bi 20%
13 Lojas Americanas 817 mi 8%
14 Renner 783 mi -7%
15 Hering 769 mi 25%
16 Ipiranga 734 mi 21%
17 Extra 687 mi 11%
18 Oi 686 mi -2%
19 Caixa 677 mi -4%
20 Porto Seguro 487 mi 3%
21 Rede 470 mi Não consta
22 Totvs 461 mi 21%
23 Havaianas 437 mi 17%
24 Pão de Açúcar 372 mi 7%
25 Magazine Luiza 366 mi Não consta

Uma presença tão grande num dos países que mais consomem cerveja garante à marca, presente no Brasil e em algumas poucas nações vizinhas, um valor superior ao da holandesa Heineken, comercializada em mais de 180 mercados. Pelas contas da Interbrand, a Skol vale o equivalente a 4,6 bilhões de dólares, enquanto a Heineken vale, no mundo, 4,2 bilhões.

A Skol não foi a única marca de cerveja a ir bem na edição deste ano da pesquisa. A Brahma, também da Ambev, subiu duas posições, de sétimo para quinto lugar, e viu o valor de sua marca aumentar 31%, o maior crescimento entre as 25 listadas. A Antarctica, também da Ambev, continuou na oitava posição, mas seu valor cresceu 15% em relação ao ano anterior.

Segundo a consultoria, parte desse sucesso do setor de bebidas se deve à Copa do Mundo, que aumentou as vendas na metade do ano de forma atípica. De certa maneira, o setor de cerveja teve “dois verões” em 2014. Entre abril e junho, o lucro líquido da Ambev foi 16% maior do que no mesmo período do ano anterior.

E vale lembrar que o desempenho financeiro é o principal atributo analisado pela consultoria Interbrand ao avaliar o valor das marcas. Cada uma a seu modo, as três marcas da empresa aproveitaram bem o evento esportivo. A Brahma, que historicamente tem forte ligação com o futebol, patrocinou a seleção brasileira e promoveu mais de 1 500 festas em 500 cidades. A Antarctica, associada ao estilo “levar a vida numa boa”, decorou as latinhas com imagens de estádios.

O banco Itaú, dono da marca mais valiosa do Brasil desde o ano 2001, quando o levantamento começou a ser feito no país, também pegou carona na Copa do Mundo. Com um investimento de cerca de 300 milhões de reais, patrocinou o evento e também a seleção brasileira.

“Bancos têm uma conexão muito racional com seus clientes e precisávamos mudar essa relação para fortalecer a marca”, diz Fernando Chacon, diretor executivo de marketing do Itaú. O caso dos bancos é um capítulo à parte. O Itaú e seus concorrentes costumam adotar a estratégia de associar seu nome a atividades sem ligação com seu negócio.

Em algumas cidades, dão nome a cinemas e teatros e patrocinam sistemas de compartilhamento de bicicletas. O que explica isso é a dificuldade que os bancos sempre tiveram de criar uma imagem positiva com o público. Em geral, eles não são vistos ­como as instituições que emprestam e, assim, viabilizam o sonho de consu­midores e empreendedores. Ao contrário.

São criticados pelas altas taxas de juro e por, supostamente, ter lucros fáceis. De acordo com o senso comum, as pessoas e as empresas avançam apesar dos bancos, não com a ajuda deles. As seguradoras também aprenderam que podem conseguir resultados melhores quando desviam o foco de seus produtos.

Em 2009, a seguradora Porto Seguro começou a promover a campanha Trânsito + gentil, que incentiva os motoristas a ser menos agressivos. Para reforçar a campanha, a seguradora dá descontos a clientes que não têm nenhuma multa durante o ano. “Uma marca com uma causa fica mais relevante”, afirma Fabio Luchetti presidente da Porto Seguro.

O peso do dinheiro

No caso do Itaú, o patrocínio da seleção brasileira e da Copa do Mundo realmente ajudou a aumentar a empatia do público com a marca — apesar do fiasco brasileiro diante da Alemanha. Mas ainda que o efeito disso seja passageiro, é provável que o banco (e também o Bradesco e o Banco do Brasil) continue entre os primeiros colocados nos rankings da Interbrand nos próximos anos.

O motivo principal, por mais paradoxal que possa parecer, é o fato de os bancos ganharem tanto dinheiro — justamente o motivo da antipatia que despertam. Pelos critérios da Interbrand, marca valiosa é sinônimo de marca que fatura e dá lucro. E, nesse quesito, os bancos brasileiros costumam ir muito bem.

Juntos, os quatro maiores (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) tiveram, no primeiro semestre deste ano, um lucro líquido de 25,6 bilhões de reais, 19% mais do que no mesmo período do ano passado.

O banco BTG Pactual, por exemplo, não está entre os maiores anunciantes nem tem uma marca reconhecida pelo grande público. Mesmo assim, em 2013, na primeira vez em que figurou no ranking, já entrou na décima colocação.

De certa forma, as listas das marcas mais valiosas da Interbrand ajudam a descrever a economia de cada país. Se no Brasil as grandes estrelas são bancos, na Coreia do Sul os três primeiros lugares são ocupados por marcas de produtos. A primeira colocada é a fabricante de eletrônicos Samsung, seguida das montadoras de automóveis Hyundai e Kia.

Na Índia, a marca Tata (que atua em vários setores, entre eles siderurgia, tecnologia da informação e carros) está à frente, seguida pela Reliance Industries, outro conglomerado industrial, e pela Airtel, a maior empresa de telefonia celular do ­país.

Todas as cinco maiores marcas globais são americanas: a fabricante de computadores e celulares Apple, a empresa de tecnologia ­Google, a companhia de bebidas Coca-Cola, a gigante de tecnologia IBM e a fabricante de softwares Microsoft.

No Brasil, além de bancos e cervejas, outra característica marcante é a presença de empresas donas de lojas físicas no ranking. Das 25 da lista, 15 têm um pé no varejo, sendo que duas são supermercados: Extra e Pão de Açúcar. A ascensão da nova classe média e o aumento expressivo do consumo que se seguiu nos últimos anos é parte da explicação desse fenômeno.

Ciente de que era importante ter lojas físicas, várias empresas se arriscaram no varejo. Apesar de ter pouco mais de 2% do mercado de roupas do Brasil, a fabricante Hering é a rede de marca própria com a maior presença física. A primeira loja foi aberta nos anos 90, mas o forte da expansão aconteceu na década passada.

Em termos de reconhecimento, o investimento tem valido a pena. Pelos cálculos do último levantamento da Interbrand, a marca teve o segundo maior crescimento em relação ao ano passado, ficando atrás somente da Brahma. Neste ano, a empresa abriu a Hering for You, loja dedicada somente ao público feminino.

“Depois do investimento inicial que fizemos no varejo, chegamos à conclusão de que podemos usar outros formatos de loja que nossos clientes vão nos reconhecer”, diz Fábio Hering, presidente da Hering. A empresa segue a máxima de que, quanto mais contato uma marca tem com o público, maior é a chance de ela ser lembrada.

As que mais fazem parte da vida dos consumidores — seja na vida real, seja no plano dos desejos — costumam ser as mais fortes e valorizadas. E poucas coisas são mais importantes do que isso para uma empresa.


Fonte: As marcas brasileiras mais valiosas de 2014

CrayonStock e Hotel Urbano promovem hackathon

CrayonStock e Hotel Urbano promovem hackathon

By | Eventos | Seja o primeiro a comentar!

Evento vai selecionar desenvolvedores Backend PHP pleno e sênior para a empresa de banco de imagens, além de premiar vencedores com viagem para Porto Seguro.

Em parceria com o Hotel Urbano, a CrayonStock vai promover seu primeiro hackathon nos dias 13 e 14 de dezembro. Durante 24 horas, a maratona vai reunir programadores e desenvolvedores para a criação de um mecanismo de indexação e busca de imagens. O objetivo é encontrar talentos na área de programação para preencherem as vagas de desenvolvedor Backend PHP pleno e sênior da empresa. O evento acontece na sede do banco de imagens na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Além da contratação, os vencedores também serão premiados com um pacote de viagem do Hotel Urbano para Porto Seguro – BA. Para participar, basta se inscrever pelo link do CrayonStock Hackathon. Alguns dos requisitos são conhecimentos em PHP, Python, Ruby, Javascript, HTML, CSS, entre outros. A empresa ainda vai oferecer hospedagem na CrayonStock Tech House, apartamento do lado da sede, para os participantes que não moram no Rio de Janeiro. Caso o candidato seja selecionado, ele poderá morar no apartamento gratuitamente.

OxiDigital - Criação de Sites em Porto Alegre

Criação de Sites em Porto Alegre / RS

By | Criação de Desenvolvimento de Sites | One Comment

Está precisando criar ou otimizar um site?
Nós da OxiDigital Porto Alegre podemos fazer isso para você!

Entre em contato conosco e solicite um orçamento gratuitamente!

Magento

Como corrigir o erro 500 (Internal Server Error) na instalação do Magento

By | Lojas Virtuais (E-commerce) | 4 Comentários

É comum tanto em instalação manual quanto através do Softaculous “internal server error” durante a instalação do magento. A solução, geralmente, é trocar a permissão das pastas para 755 e arquivos para 644. Porém, existe uma forma automática de trocar a permissão de todos os arquivos da instalação do magento.

1 – Faça o download deste arquivo Magento Cleanup.
2 – Extrai o arquivo e envie o “magento-cleanup.php” para a pasta onde está o seu magento.
3 – Rode o arquivo, acessando-o pelo seu navegador. http://www.seusite.com.br/magento-cleanup.php

Pronto! Assim, todas os arquivos e diretórios terão as permissões corrigidas.

Magento

Magento em versões antigas do PHP

By | Lojas Virtuais (E-commerce) | One Comment

Um problema comum ao fazer a instalação do Magento é a incompatibilidade com algumas versões do PHP. No exemplo deste caso estamos fazerendo a instalação do Magento 1.9.0.1, PHP 5.2.17 e o módulo do PagSeguro 2.1.

Este foi o erro ocorrido Parse error: syntax error, unexpected T_STRING, expecting T_CONSTANT_ENCAPSED_STRING or '(' in /home/petit/public_html/app/code/local/PagSeguro/PagSeguro/Model/Resource/Setup.php on line 3

Para quem não pode atualizar a versão do PHP, basta fazer a alteração abaixo:

Acesse o arquivo: /app/code/local/PagSeguro/PagSeguro/Model/Resource/Setup.php

de:

<?Php
use Mage_Core_Model_Resource_Setup as Setup;
class PagSeguro_PagSeguro_Model_Resource_Setup extends Setup
{
}

para:

<?Php 
//use Mage_Core_Model_Resource_Setup as Setup;
class PagSeguro_PagSeguro_Model_Resource_Setup extends Mage_Core_Model_Resource_Setup
{
}

 

Service Temporarily Unavailable

Magento “Service Temporarily Unavailable”

By | Lojas Virtuais (E-commerce) | Seja o primeiro a comentar!

As vezes ao fazer a inclusão de algumas extensões no Magento é exibida a mensagem “Service Temporarily Unavailable – The server is temporarily unable to service your request due to maintenance downtime or capacity problems. Please try again later.“.

Para resolver este problema basta deletar o arquivo “maintenance.flag” que fica no diretório “public_html” da sua hospedagem.

 

Mapas do Google para lugares fechados, como shoppings e aeroportos, chegam ao Brasil

Mapas do Google para lugares fechados, como shoppings e aeroportos, chegam ao Brasil

By | Notícias | Seja o primeiro a comentar!

Há anos, o Google possui mapas de lugares fechados, como shoppings, museus, aeroportos e lojas. Só que o Brasil estava de fora… até hoje. Com o Indoor Maps, você poderá entrar no Maracanã, em aeroportos e em grandes shoppings do país, direto do computador ou celular.

O Indoor Maps é bacana por dois motivos: se você estiver no computador, pode saber exatamente onde no shopping fica a loja que mais lhe interessa, ou se orientar por centros culturais grandes, como o Theatro Municipal de São Paulo (acima).

E se você estiver no smartphone (Android e iOS), pode se localizar facilmente em aeroportos e estádios. Além disso, caso você esteja em um edifício com vários pisos, ele sabe em qual andar você está.

Para usar o recurso, é simples: entre no Google Maps, vá até um dos lugares que contam com os mapas internos, e dê zoom. No canto inferior esquerdo, você poderá alternar entre os andares do edifício (se tiver):

Mapas do Google para lugares fechados, como shoppings e aeroportos, chegam ao Brasil

O blog do Google Brasil reuniu os locais onde o recurso está disponível, em mais de 50 cidades brasileiras:

11 estádios de futebol: incluindo Maracanã (Rio de Janeiro), Mané Garrincha (Brasília), Mineirão (Belo Horizonte), Arena Fonte Nova (Salvador) e Castelão (Fortaleza), entre outros que sediarão jogos de grandes eventos esportivos em 2014.

15 aeroportos: Guarulhos e Congonhas (São Paulo), Santos Dumont (Rio de Janeiro), Afonso Pena (Curitiba), Salgado Filho (Porto Alegre), Juscelino Kubitscheck (Brasília), Eduardo Gomes (Manaus), entre outros.

mais de 100 shopping centers: Shopping Iguatemi, JK Iguatemi, Morumbi Shopping, Shopping Vila Olímpia, Shopping Eldorado (São Paulo); Barra Shopping, New York City Center, Downtown, Shopping Leblon, Village Mall (Rio de Janeiro); Diamond Mall, Pátio Savassi (Belo Horizonte); Shopping Iguatemi Brasília (Brasília); Shopping Guararapes (Jaboatão dos Guararapes); Manauara Shopping (Manaus); Shopping Praia de Belas (Porto Alegre); entre muitos outros.

O Indoor Maps oferece mais de 10 mil mapas de lugares fechados em vinte países. A lista completa está neste link, e só aumenta: quem for dono de um estabelecimento e quiser adicionar sua planta baixas aos mapas do Google pode fazer isso aqui.

Vale lembrar que o Google também oferece Street View dentro de alguns lugares fechados, como o aeroporto de Congonhas (SP). Ainda existe o serviço Business View, que cria uma visão 360° do interior de lojas, mas ele ainda não chegou ao Brasil. [Blog do Google Brasil]